fbpx

Conheça a isolada e surpreendente Ilha de Superagui no litoral paranaense.

Mesmo com tantas opções de lugares com água para aproveitar o verão, as praias são um dos destinos mais queridinhos dos brasileiros. Nós também gostamos de praia e na virada do ano, fomos conhecer mais um lugar encantador do Paraná: a Ilha de Superagui.

Nela, encontramos muitas belezas naturais intocadas pelas mãos dos homens, muita tranquilidade, simplicidade e calmaria. E é por isso tudo que ela é surpreendente.

O verão tá aí e se você assim, como a gente só pensa em se refrescar, continue lendo este texto pra ficar por dentro de todas as dicas e aproveitar ao máximo sua viagem para a Ilha de Superagui.

Sobre a Ilha de Superagui

A ilha de Superagui fica no litoral paranaense e faz parte do município de Guaraqueçaba. Dizem que em Guaraqueçaba tem muitos outros lugares maravilhosos e já está mais do que na nossa lista de desejos.

Revoada papagaios na Ilha de Superagui

Consegue encontrar os papagaios? Observe como eles realmente tem a cara roxa.

A ilha de Superagui é na verdade um Parque Nacional, com uma área de preservação com mais de 30.000,00 hectares. Só de saber disso já ficamos com muita vontade de ir conhecer. Na Ilha podem ser encontrados algumas espécies de animais ameaçadas de extinção, como o mico-leão-da-cara-preta, o papagaio-da-cara-roxa, a suçuarana e o bugio.

O Parque foi reconhecido como Patrimônio Natural pela UNESCO em 1999. Além disso, também foi considerado Reserva da Biosfera em 1991, também pela UNESCO. Mesmo quando ainda não tinha recebido o título da UNESCO, a área já era considerada Patrimônio Natural e Histórico do Paraná desde 1970. Só aí dá pra perceber o valor natural e histórico que o Parque representa. É um privilégio poder conhecê-lo. E espero que ele continue sendo preservado!

A maior parte da Ilha é intocada e não pode ser visitada. Quem administra o Parque, protege, fiscaliza e o monitora é o Instituto Chico Mendes (assim como todos Parques Nacionais que são áreas de preservação). É o Instituto que define o que os turistas podem conhecer e visitar dentro do Parque.

A ilha tem um pouco mais de 1.000 habitantes, quase todos são nativos e tem em sua linhagem a descendência de índios, negros e colonos portugueses. Antigamente eram chamados de “caiçaras” mas, de acordo com o Instituto Chico Mendes, os moradores preferem ser chamados de pescadores artesanais. A nossa percepção é de os moradores da ilha são extremamente simpáticos e receptivos. Adoram contar histórias e conversar com os turistas, isso quando eles estão com tempo.

Os nativos relataram que nunca haviam visto a ilha com tantos turistas. A virada do ano de 2018 para 2019 bateu todos os recordes. Percebemos que em alguns lugares os nativos estavam bastante atarefados, portanto, com menos tempo para bater um bom papo com os visitantes.

Lá tudo é muito simples. A infraestrutura é minima. A água consumida no vilarejo é extraída de poço artesiano ou proveniente de uma das cachoeiras da Ilha. Em alta temporada pode haver falta de água em alguns momentos, justamente pelo aumento de seu consumo. Mas, o poço artesiano acaba suprindo as necessidades. Nós não tivemos falta de água em nenhum momento.

Na Ilha há um posto de Saúde, inclusive, conhecemos uma das enfermeiras, que estava de licença maternidade e é filha de do proprietário do Restaurante Praia Mansa. Não chegamos a precisar usar os serviços do posto (ainda bem), então não sei dizer como funciona e quais os tipos de atendimento eles fazem. Mas, fiquei aliviada em saber que ao menos havia um Posto de Saúde. Afinal, nunca se sabe quando será necessário, não é mesmo?

Uma boa dica é fazer um seguro de viagem antes de ir para a Ilha. Essa é justamente uma recomendação que o próprio Instituto Chico Mendes em sua explanação sobre o Parque Nacional do Superagui. Se você tiver interesse em fazer um seguro de viagem e não souber como, entre em contato comigo que te ajudo.

Se observar bem, é possível ver a Ilha do Mel no horizonte da fotografia.

Mesmo com toda simplicidade e rusticidade da Ilha de Superagui acredito que quem gosta de aventura e não se importa muito em ficar longe da complexidade da vida moderna por um tempo, se sentirá muito bem por lá. Eu amei! Me senti em casa! Me senti livre!

Passamos todos os dias com o mínimo possível de acessórios e roupas. Nossa mala não era grande, mas voltamos com muitas roupas limpas. Eu por exemplo, usei quase todos os dias o mesmo par de chinelos, o mesmo biquíni, a mesma saída de praia e a mesma canga.

A sensação de não precisar de nada mais do que isso, era muito boa! E olha que eu já não sou uma pessoa que se apega a coisas. Eu prefiro viver muitas experiências do que ter muitas coisas. E isso se traduziu muito bem ao que nós vivemos nos dias que passamos em Superagui. Consegui praticar o desapego ainda mais. Da próxima vez, a mala vai ser menor ainda…hahá.

O que fazer na Ilha de Superagui?

Como já disse, a Ilha é bem tranquila, mesmo que nossa viagem para lá, tenha sido em uma data com um alto número de visitantes, nós tínhamos em muitos momentos, privacidade. Em nenhum momento ficamos em meio a uma multidão de pessoas e seus guardas sol. Aliás, guarda sol é o que menos vimos por lá…hahá.

Com isso, você já pode perceber que o que mais você encontrará, é sossego e tranquilidade.

Saiba o que fazer por lá para aproveitar ao máximo sua passagem por esse lugar encantador, lendo os tópicos a seguir:

BARRA DE SUPERAGUI

A Barra de Superagui era a parte da praia mais movimentada e é onde fica a vila com maior número de habitantes. Com isso a maioria das pousadas, campings e restaurantes ficam por ali. Com o número de turistas aumentando a cada ano, os nativos da Ilha foram se organizando e abrindo novos negócios também.

praia da Ilha de Superagui

No final da tarde era quando víamos a praia da Barra de Superagui mais cheia, com o pessoal jogando volei, futebol, entre outras atividades. Mas, nunca com muvuca. Quem queria um pouco mais de badalação ficava por lá. Quem queria mais sossego andava alguns metros e já ficava satisfeito. Era o nosso caso…hahá.

Nessa parte da Ilha ficam atracados vários tipos de embarcação. Eles compõem o visual da praia. Mesmo com tantos barquinhos, nós aproveitamos muitos banhos de mar por ali. As águas eram bem tranquilas, com apenas algumas marolinhas. Foi bem gostoso brincar com o Léo, porque o mar nunca puxava a gente de volta.

Deu pra deixar o Léo bem a vontade, tanto na água como na areia, já que nunca tinha tanta gente por perto e a gente não perdia ele de vista. Sempre é bom lembrar de um detalhe: nunca deixe seu filho sem supervisão na água. O fato de deixar o Léo a vontade é que não era necessário ficar segurando ele. Isso também por que ele se vira bem na água. Se for uma criança que não tem noção de adaptação aquática, você deve segurá-la ao menos pelas mãozinhas o tempo todo, pois mesmo com a marolinha é muito fácil desequilibrar e aí já viu né…

PRAIA DESERTA

A recomendação dos nativos é de que ao chegar na praia deserta pela trilha, os turistas retornem pela praia virando à direita depois da trilha.

A Ilha conta com uma praia deserta (que fica pro lado direito do trapiche), com 38 km de praias virgens, onde vivem apenas três famílias nativas. Uma bem distante da outra. Nós chegamos a ir nessa praia. Mas, não fomos até a casa de nenhuma das famílias.

Para chegar até a praia deserta é possível ir por uma trilha na mata ou beirando a praia. A recomendação é que quem quiser fazer a trilha, deve sair da Barra de Superagui por ela e retornar pela praia. Pois, quem não está acostumado com a trilha não saberia a sua entrada para retornar. E isso é verdade! Pois, quando a trilha termina a gente dá de cara com algumas pequenas dunas de areia e um pouco de vegetação. É fácil não perceber a existência de uma trilha ali, pois a sua marcação se perde no chão. Tenho certeza que nós não saberíamos acessar a trilha pela praia.

Normalmente essa parte da Ilha de Superagui fica realmente deserta e você não teria ninguém para perguntar onde é o inicio da trilha. 

A dica pra quem vai até a praia deserta no verão é ir bem cedinho ou no entardecer. Em muitos momentos da trilha andamos embaixo de sombra. Mas, pela praia não há nenhuma arvorezinha sequer para se proteger. Se encarar o horário do sol forte, leve o guarda sol ou se prepare para improvisar novamente.

Na Praia Deserta, as ondas são um pouco mais fortes. Então a atenção deve ser redobrada.

A trilha até a praia deserta tem aproximadamente 4km o que daria em torno 1 hora e meia de caminhada. Claro que isso vai depender do seu ritmo. Nós fomos de bicicleta e em mais ou menos 30 minutos estávamos lá.

Se for de bicicleta tome cuidado com as pontes que existem pelo trajeto. Algumas aparecem depois de curvas e você pode ser pego meio que de surpresa dependendo da velocidade que estiver andando. O tombo vai ser feio e o susto também. Eu não iria querer cair na água onde existem as pontes, pois ali tem muito mangues. Imagine a quantidade de animais…medinhooo…ahahha.

Outra dica é levar alguma coisa para comer e no mínimo água para beber. Você não vai encontrar nenhum lugar para comprar nada. Assim, você consegue aproveitar um pouco mais sua ida até a praia deserta.

Levamos uma mochila com suprimentos, canga, guarda sol e claro nossas câmeras fotográficas. O nosso passeio durou em torno de cinco horas. Contanto, o tempo de ida, descanso na sombra (guarda sol), brincadeiras na água, registros fotográficos, subida nas dunas, contemplação da paisagem e por fim relaxamento nas piscinas naturais, que foi uma das coisas que mais gostei na Ilha de Superagui (conto no próximo tópico).

DUNAS DE AREIA NA ILHA DE SUPERAGUI

Na praia deserta tem também pequenas dunas de areia. Em determinados momentos elas proporcionam uma visão muito bonita. Para isso é preciso subir ao topo de uma delas. Sugiro fortemente que você só faça isso se o sol não estiver tão quente. Assim, você não sentirá seus lindos pesinhos queimando..ahhaha.

Deixamos para subir, quando estávamos retornando à Barra de Superagui. O sol estava baixando e a temperatura estava bem mais agradável do que em nossa ida para a Praia Deserta.

Ao subir no topo da duna é possível avistar a lagoa que fica na parte interna da Ilha, que inclusive em alguns momentos é possível ver durante o percurso na trilha.

A visão é espetacular, já que podemos contemplar: o lago, a mata fechada e ao fundo a Serra do Mar.

PISCINAS NATURAIS NA ILHA DE SUPERAGUI

Ao retornarmos para a Barra de Superagui pela praia,  chegamos em um ponto onde um rio se encontrava com o mar. Nesse ponto, haviam pelo duas piscininhas naturais bem rasinhas, pequeninas e com uma temperatura muito agradável. Só soubemos da existência desse lugar em nosso terceiro dia na Ilha. Aproveitamos apenas um pouco nesse dia, já que tínhamos horário para entregar as bicicletas.

Claro que voltamos caminhando no dia posterior. Fomos por volta das 17h00,  quando o sol já estava baixando e ficamos até quase o dia realmente acabar.

Essa parte da praia fica há uns 15 ou 20 minutos depois do último camping da Barra de Superagui.

Perguntei se as piscinas sempre se formam, independente da maré ou de algum horário específico e a resposta foi positiva. Que maravilha, não?

Pra quem vai com criança é o paraíso. O Léo passou horas tentando pegar os pequenos peixinhos que nadam por ali e observando os siris. A única desvantagem é que fica um pouquinho longe da Barra de Superagui.

Dependendo da idade da criança, ela pode não aguentar ir caminhando. Aí a dica é ir de bicicleta. O Léo foi caminhando numa boa (ele está com seis anos e já está acostumado) e olha que nossa pousadinha ficava do lado esquerdo do trapiche, ou seja, ou pouquinho mais longe.

Não imaginava encontrar uma piscininha natural tão gostosinha por Superagui. Foi uma surpresa muito boa! Amamos contemplar o por do sol estando por ali.

ANDAR DE BIKE

Uma das atrações na Ilha é passear de Bicicleta. Na verdade esse é um dos meios de locomoção para quem quer chegar mais rápido a algum lugar ou quer apenas dar uma voltas para conhecer melhor os encantos de Superagui.

Nós alugamos nossas bikes com o Japuka. Ele é muito organizado, prestativo e dedicado ao seu trabalho. Ele tinha a disposição 30 bicicletas, para adultos e crianças. Além disso, tinha cadeirinha para crianças pequenas (daquelas que prendem no guidão) e para crianças maiores (daquelas as que ficam na garupa).

As bicicletas estavam em ótimo estado.

Ele costuma alugar por três, cinco, oito ou 24 horas. No ano novo, devido o movimento estar maior do que o normal, havia apenas a opção de aluguel para três e cinco horas. Assim, mais pessoas poderiam alugar as bicicletas e passear também.

Teve dia que ele atendeu das cinco da manhã até as nove da noite. Depois que os clientes entregavam as bicicletas, ele ainda tinha que limpar todas, antes de guardar. Sabe-se lá que horas ele realmente terminava o seu serviço. Mas, isso é claro, não acontece sempre. Pois, não é sempre que a ilha tem o movimento como do ano novo.

Fato é que, andar de bicicleta pela ilha é um programão e tanto. Nós amamos! Só não alugamos mais vezes, justamente porque a concorrência com os clientes estava grande…hahá.

Na alta temporada o Japa fica sempre ao lado do Restaurante Tropical. Se não, ele fica na casa dele. É só perguntar para qualquer nativo que eles saberão te explicar onde é.

O aluguel por cinco horas custava R$ 25,00. Por três horas, R$ 20,00. Ao alugar um cadeirinha para crianças ou garupeira (para mochilas) é preciso pagar uma taxa adicional. Se ele estiver alugando a bike para o dia todo, acho que vale bastante a pena. Com certeza será possível aproveitar e curtir muito mais a Ilha.

PASSEIO DE BARCO

Por lá, é possível fazer vários passeios de barco. O mais tradicional contempla pelo menos três atrações: Vila de Barbados, Vila de Sebuí e por fim a Revoada do Papagaio-da-cara-roxa. Ainda de quebra, se você tiver sorte, poderá observar os golfinhos nadando livres, leves e soltos. A ilha de Superagui é conhecida por ter muitos golfinhos e por ser fácil observá-los. Mas, é preciso ter paciência.

passeio de barco ilha de Superagui

Nós conseguimos ver rapidamente enquanto estávamos indo para a Vila de Barbados e também no retorno da Revoada dos Papagaios. Conhecemos uma família de São Paulo, que disse ter conseguido ver os golfinhos enquanto estavam sentados na praia deserta. Isso não é incrível?

O nosso passeio de barco durou em torno de cinco horas. Saímos da Barra de Superagui às 13h30 para almoçar na Vila de Barbados. O almoço é a principal atração da Vila que tem criação de ostras. O almoço é regado à frutos do mar. Em nossa visita nos serviram, ostras, caranguejos e isca de peixe. Fora isso, ainda teve arroz, feijão, salada e batata frita. Pensa em uma fartura! É isso o que eles te oferecem. E isso tudo por apenas R$ 30,00 por pessoa, para comer à vontade.

O dono do pequeno restaurante disse que costumam servir também camarão branco. Mas, isso só é possível quando está na época da pesca desse tipo de camarão.

A Vila de Barbados, com toda a sua simplicidade, tem o seu charme. A vida ali parece ser muito humilde, mas muito tranquila e calma.

Ficamos na Vila de Barbados até umas 15:45 e depois seguimos para a Vila de Sebuí. A vila parece ser ainda menor do que a anterior e por ali também moram alguns pescadores.

A atração dessa vilinha é uma pequena queda d’agua que fica em meio a mata fechada. A trilha para chegar até a cachoeirinha é bem curta. Dá no máximo cinco minutos.

Por lá, tem uma lanchonete que vendia algumas bebidas e um pastel de palmito delicioso. Há um morador que plantou alguns pés de palmito por lá, portanto os palmitos usados no pastel são bem fresquinhos. Inclusive na lanchonete eles vendiam palmito em pote de vidro. Nós chegamos a comprar para comer ali mesmo. Estavam deliciosos!!

Próximo a Vila do Sebui fica a Reserva Ecológica do Sebuí, um lugar incrível que conhecemos em outra oportunidade e que merece muito ser visitado. Para ler o relato completo clique na foto abaixo:

Continuando nosso passeio, saímos da Vila do Sebuí às 18:30 em direção a Ilha dos Pinheiros que é onde o Papagaio-da-cara-roxa aparece junto com seu bando. O barqueiro nos levou até a pequena prainha da Ilha onde pudemos pular na água.

O chão da prainha parecia ser um mangue, onde o nosso pé afundava até um pouco mais que a canela. A sensação de ter os pés afundando me causa um pouco de agonia. Embora estivesse uma temperatura incrivelmente agradável, não consegui ficar muito tempo na água. O Léo, por outro lado só queria ficar nadando (a água estava muito boa mesmo).

A entrada na água é opcional. Se você quiser pode ficar o tempo todo no barco, como o Marcio (o marido) fez. Mas, sugiro entrar nem que seja um pouquinho, mesmo que seja de coletes salva vidas. É realmente uma delícia. Mas, se tiver agonia como eu de ficar com as pernas afundando, talvez seja melhor ficar só no barco mesmo…ahaha.

Logo que fomos pra água o show dos papagaios começou. Muitos grupos de papagaios chegavam para se alojar em alguma das árvores da ilha dos Pinheiros. O nosso barqueiro nos levou em ponto onde conseguimos avistar um pouco mais de perto os papagaios se alimentando. Só conseguimos comprovar que os papagaios realmente tem a cara a roxa, depois que usamos o recurso do zoom da câmera fotográfica. Se você tiver um binóculo, leve. Pois, com certeza vai ser muito legal fazer a observação com mais detalhes.

Pelo que percebi muitas pousadas e restaurantes oferecem o passeio. Durante a nossa estadia por lá, eles estavam cobrando o valor de R$ 50,00 por pessoa. É só conversar com algum estabelecimento que você encontrará alguém disposto a te levar por esse passeio. Preste atenção se a embarcação tem coletes salva vidas disponíveis para todos os passageiros e use-o. Nós fizemos o passeio com o pessoal do Restaurante Praia Mansa.

No final do passeio ainda tivemos esse por do sol maravilhoso.

Um detalhe importante é o horário de saída da Barra de Superagui. Se você realmente quiser ver a revoada dos Papagaios é melhor sair depois das 13 horas, pois, ela só acontece depois das 19h00 (quando é horário de verão). Se sair muito cedo o passeio pode ficar meio cansativo e o pior, você pode ter comprado por um passeio e no fim, nem conseguir ver a revoada, caso o seu grupo esteja cansado e queira voltar antes. Isso aconteceu com meu irmão e cunhada. E pelo que percebi nem todos os barqueiros que fazem o passeio pensam nesse detalhe do horário.

Locomoção na Ilha de Superagui

Na ilha não tem carros, nem motos ou coisa parecida. O máximo que tem são alguns cavalos e carroceiros e são eles que fazem o papel de taxi na ilha. Quando é necessário se deslocar um pouco mais, com malas, por exemplo, é possível contratá-los. Nós não precisamos nenhuma vez.

Um ponto negativo de ter cavalos na Ilha é que as vezes nos deparamos com cocô de cavalo no chão. Muitos animais usam um tipo de fraldinha para evitar que isso aconteça. Uma dica é sempre usar chinelo, principalmente nas pequenas trilhas da vila.

praia deserta na Ilha de Superagui

As outros únicas duas maneiras de se locomover pela ilha são as bicicletas e os pezinhos…hahá.

Muitas pessoas levam suas bicicletas para a Ilha. Isso é permitido, só há um custo adicional na embarcação em que você fará a travessia.

Hospedagens na Ilha de Superagui

Resolvemos ir passar o ano novo na Ilha e decidimos isso meio em cima da data. Já havia pesquisado alguma coisa, então não estava tão despreparada ao organizar nossa viagem. Mas, não foi muito fácil encontrar um lugar para dormir com um quarto disponível. Ficamos com a primeira opção que encontramos.

Pousada Serena

Para nossa sorte, a pequena pousada era um quarto de alvenaria praticamente novo, que estava limpo e organizado quando chegamos. Perdão, mas esqueci de fotografar. Só temos fotos de fora da pousada.

As fotos assustam um pouco, eu sei. Mas, esse é o padrão da Ilha. Alguns lugares parecem ser um pouco mais bonitinhos e organizados com mais capricho, se comparados a alguns detalhes que normalmente a gente presta atenção quando vai reservar uma pousada ou hotel em local com mais estrutura turística.

Mas, pra falar bem a verdade, nós nos sentimos muito bem no local que estávamos. Claro que observamos alguns pontos negativos. Vou detalhar melhor as vantagens e desvantagens:

As vantagens da Pousada Serena em nosso opinião foram:

  • Quarto de alvenaria (muitos lugares na ilha são casas de madeira);
  • Na chegada o quarto e o banheiro estavam bem limpinhos;
  • Embora básico, no café da manhã, tinha todos os dias, frutas, bolo, pão, frios, maionese, leite, café e achocolatado (pelo que eu vi, na ilha, esse é o padrão);
  • O local ficava em uma parte da vila que era muito tranquila e mais silenciosa. A pousada Serena tem também área pra camping e o pessoal respeitava os horários quanto a questão de barulho.
  • Tinha cozinha de uso comum, com geladeira e fogão (bem velhinho, mas vi o povo usando bastante, então funcionava).
  • Tinha sinal de WIFI, mesmo que meio ruim, mas tinha. Achei que nem fosse ter…hehe.
  • O papel higiênico era de boa qualidade e o sabonete disponível também (era um bem cheirosinho da natura).
  • O clima na pousada era bem gostosinho.
  • Incluía lençóis e toalhas.

As desvantagens:

  • A pousadinha não era em frente a praia (mas, era super perto);
  • Não havia uma área de descanso com rede (eu queria tanto, uma varandinha com rede);
  • O café era servido na varanda dos quartos e o varal de roupa ficava bem em frente, sempre cheio. A nossa paisagem no café da manhã era dos biquínis e toalhas…ahaha.
  • o lençol era de um material sintético (gente, nós não somos nenhum um pouco frescos quanto a quase nada, mas lençol tem que ser de algodão. Mesmo que seja o algodão mais simples possível. Sintético, na praia, mata a gente de calor… Sorte que tínhamos levado lençol e dois dias depois de dormir na quentura, achamos nossos queridos, guardados no fundo da mala…ahaha).

A dona da pousada, a Elza é uma senhora de poucas palavras, mas que nos atendeu muito bem. Nós reservamos a pousada e tivemos um intermediador. Acredito que tenha havido alguma confusão no meio do caminho, porque o Léo acabou pagando metade do preço de um adulto e acabou dormindo em um colchão no chão. Não tem problema nenhum dormir no chão, mas normalmente quando isso acontece, a criança não paga nada. Achei melhor nem comentar nada, pois não queria criar nenhum um mal estar com a proprietária.

Banheiros do Camping.

Não recomendo o intermediador para ninguém, achei ele meio enrolado, embora fique afirmando que tenta fazer o seu melhor. No fim, graças a ele conseguimos um local para dormir em Superagui. Por um lado até temos que agradecê-lo, mas, ficamos com a nítida impressão que ele estava tentando ganhar vantagem em cima da gente. Uma dica pra você que está indo para lá é: tente fazer contato direto com o local que você irá dormir. Assim, evita esse tipo de confusão.

O valor da diária no ano novo e carnaval são mais elevados. Nós pagamos R$ 275,00 a diária para nós três. Para um casal sairia R$ 220,00. Acredito que o preço no carnaval seja esse também. Para demais datas a diária por casal custa R$ 150,00 o casal.

Se você for com criança, pergunte se haverá cama disponível. Combine os detalhes bem certinho, diretamente com a Dona Elza e acredito que não haverá maiores problemas.

Para quem pretende acampar, acredito que a área de camping da Dona Elza seja uma boa opção. Certamente, eu acamparia lá com minha família. Só escutei elogios das pessoas que estavam acampando.

OUTRAS OPÇÕES

Enquanto estava na Ilha, fiquei de olho em outras opções de pousadas, tendo em mente, quais os lugares que eu gostaria de ficar quando retornasse pra lá. Vou compartilhar com vocês o resultado dessa minha pequena pesquisa. Lembrando que não vivi a experiência de ter ficado em nenhuma delas. Levei em consideração alguns critérios pessoais e conversei um pouco com cada proprietário da pousada. As minhas impressões você vê abaixo.

Opções de pousadas na Beira Mar que eu ficaria em uma próxima oportunidade:

Pousada Paraíso

pousada paraiso na ilha de Superagui

Esta Pousada Paraíso fica em frente a praia e fica localizada para o lado direito do Trapiche, onde a praia é mais movimentada. Achei ela bem bonitinha e bem cuidada. A pousada tem quatro quartos e ainda uma casa inteira disponível para alugar.

  • Todos os quartos tem ventilador e banheiro privativo.
  • Tem Wifi.
  • É possível agendar a travessia de Paranaguá para Superagui, pois eles possuem barco próprio.
  • A diária custa R$ 150,00 o casal com café da manhã, exceto no carnaval. Na baixa temporada os preços diminuem.
  • A partir de 12 anos paga o valor integral.
  • Lençóis e toalhas incluídas. A proprietária disse que usa lençol de algodão.

Casa onde ficam os quartos da pousada.

  • A casa é para no máximo seis pessoas.
  • O custo por pessoa é de R$ 70,00.
  • Tem apenas um banheiro.

Você pode ver mais informações e reservar um quarto ou a casa aqui.

***Atualização: estivemos na Ilha de Superagui no carnaval de 2019 e nos hospedamos nesta pousada. Simplesmente amamos!

Pousada Praia Mansa

A Pousada Praia Mansa ficava bem pertinho de onde estávamos dormindo. Gostei dela pois tinha rede disponível para cada quarto. Ela não é totalmente de frente para a praia, mas tem uma vista lateral. Aparentemente é organizada e bem cuidada.

  • Tem banheiro e ventilador em todos os quartos.
  • O café da manhã é no restaurante da pousada que fica em frente ao mar.
  • Fica do lado que considerei mais tranquilo, silencioso e onde a praia é menos frequentada.

  • A diária custa R$ 150,00 o casal com café da manhã, exceto no carnaval.
  • Se não me engano, a partir de 7 anos paga meia diária.
  • O restaurante da pousada tem o que eu considerei a melhor sombra da região…haha. Ao lado do restaurante tem uma árvore chamada Sombreiro. É bem grande e não importava o calor que estava fazendo, embaixo dessa árvore tudo ficava mais fresco.

Contato: (41) 996279455

Pousada Costa Azul

Essa pousada fica de frente para a praia e também no lado mais agitado. Possui dez quartos e de acordo com a proprietária já estão todos reservados para o carnaval deste ano.

  • Os quartos tem varanda lateral que dão vista para a praia.
  • O custo da diária é de R$ 150,00 o casal com café da manhã.
  • A partir de 8 anos paga o valor integral.
  • O preço na baixa temporada é de R$ 100,00 para o casal.
  • A  pousada é toda de alvenaria.
  • Eles também possuem um restaurante. Não comemos lá nenhuma vez, mas sei que a refeição saia R$ 25,00 por pessoa para comer à vontade.

Contato: (41) 34827136

Pousada do Magal

Essa pousada não fica de frente para a praia. Mas, é muito perto. Gostei dela por conta dessas plantas que cobrem toda a sua frente. Parece deixar o ambiente super fresco.

  • O custo da diária por pessoa é de R$ 65,00 com café da manhã. No Carnaval será R$ 100,00.
  • Crianças até 7 anos não paga.
  • Todos os quartos tem banheiro e ventilador.
  • Conversei com uma moça que estava se hospedando e ela disse que estava limpo e organizado.

Contato :(41) 996941446 (Whatsapp)

Todos os valores apresentados aqui foram perguntados diretamente aos proprietários. Você terá que entrar em contato com cada propriedade para verificar os preços, pois eles podem ser alterados a qualquer momento. Nós dividimos as informações que conseguimos, ao menos assim, você tem uma noção de quanto poderá gastar ao se hospedar na ilha.

Outras opções de hospedagem você pode pesquisar no Booking. Se você fizer alguma reserva usando a caixinha de pesquisa abaixo, estará nos ajudando na manutenção do Blog, pois receberemos uma comissão. Você não paga nada a mais por isso:


Booking.com

Percepções sobre as hospedagens na Ilha de Superagui:

Posso estar muito enganada, se estiver por favor, comente sobre a sua experiência, mas pelo que percebi nenhum local faz limpeza diária no quarto, ou mesmo que seja, de dois em dois dias como em algumas pousadas na Ilha do Mel (quando ficamos na Pousada Paraíso, tivemos limpeza no quarto e troca de roupas de cama e banho depois de dois dias de estadia).

Todos esses detalhes negativos que escrevi acima, não nos incomodam a ponto de nós não voltarmos à Ilha. Nós realmente, não nos importamos com a falta de um serviço profissional. A coisa na Ilha ainda é amadora como em muuuuuiiiitos lugares que nós já visitamos pelo Paraná.

A verdade é que se eu não fosse relatar nossa experiência eu nem observaria alguns dos detalhes que mencionei aqui. Acho importante mencionar isso pra você, porque nem todas as pessoas encaram da mesma maneira que a gente, ou seja, não toleram um serviço amador ou se estressam facilmente com isso.  O negócio é que se você resolver ir conhecer o Parque Nacional do Superagui, vá com espírito aventureiro que encara qualquer parada, ok?

Onde comer na Ilha de Superagui?

Uma das coisas que mais gostei na Ilha de Superagui é que a comida tem preços acessíveis. Nada de abusos como em muitos destinos praianos.

A maioria dos restaurantes praticavam os mesmos preços e tinham um cardápio muito parecido. Acabávamos escolhendo o restaurante que estivesse mais próximo da gente no momento em que queríamos comer.

Nós comemos praticamente todos os dias filé de peixe frito, camarão frito, arroz, feijão e salada. E ficamos extremamente satisfeitos.

A Ilha não possui uma infinidade de restaurantes mas tem sim algumas opções. Além disso, tem também lanchonetes e até uma pequena confeitaria, onde nós comemos um delicioso bolo de cenouras. A confeitaria tem uma deliciosa sombra na frente. É um ótimo lugar para dar uma descansada depois do almoço, caso sua pousada não tenha um lugar apropriado para isso, como era o nosso caso.

Abaixo comento um pouquinho em quais restaurantes nós comemos.

Restaurante Praia Mansa

Onde comer na ilha de Superagui Refeição incluindo filé de peixe frito, camarão frito, camarão ao molho, salada, arroz, feitão e batata frita.

O Restaurante Praia Mansa era o mais próximo da nossa pousada e foi o lugar onde mais fizemos refeições enquanto estávamos na Ilha. Ele estava quase sempre com pouco movimento por isso era muito tranquilo. Jantamos e almoçamos o mesmo pedido, porém, eles preparam também pratos com carne de boi e de frango.

Um detalhe importante é que você precisa encomendar a refeição. É só passar por lá e combinar o que irá comer e qual o horário de preferência.

Uma dica é almoçar na mesa que fica embaixo do Sombreiro. É uma delícia!

Lá também tem pastéis de camarão. Uma delícia!! Cada pastel custava R$ 4,00.

A família que trabalha no restaurante e na pousada é muito simpática. Gostamos muito de conhecê-los e sempre que podíamos passávamos por lá para comer ou beber alguma e bater um papo.

Eles já tinham a pousada há uns três anos e começaram a oferecer refeições há apenas um. Todas as refeições que fizemos lá estavam sempre fartas e saborosas.

Pagamos R$ 65,00 na refeição para dois adultos e uma criança. Para duas pessoas fica em R$ 55,00. Eles servem também pratos feitos que giram em torno de R$ 20,00 a R$ 25,00.

Restaurante Tropical

Uma opção para quem não quer ficar encomendando a refeição é comer no Restaurante Tropical. Eles servem comida no sistema Self-Service com um custo de R$25,00 no almoço e R$ 20,00 no jantar. A comida também era muito boa! No dia que almoçamos lá, tinha opção de filé de peixe, camarão frito, arroz, feijão, saladas, batata frita e até macarrão.

O Léo já estava enjoado de comer camarão. Então, jantamos novamente no Restaurante Tropical porque ele queria comer macarrão. Ficou todo feliz! E nós é claro, continuamos comendo os deliciosos camarões.

Passamos a ceia de ano novo neste Restaurante. Foi uma fartura e gostosura!

O proprietário do Restaurante é muito dedicado e faz de tudo para agradar os clientes. Inclusive para fazer a ceia teve que ir na véspera de ano novo, fazer compras no continente. No retorno para ilha, o barqueiro contratado por ele para fazer o transporte não compareceu e ele teve que dormir no trapiche de Paranaguá. Mesmo assim, na noite de Réveillon ele estava lá, todo simpático recebendo os turistas.

O local fica na parte mais movimentada da Barra de Superagui e estava sempre cheio.

Restaurante o Golfinho

Este foi o primeiro lugar que almoçamos na Ilha. Chegamos, fizemos o pedido e aguardamos até que ficasse pronto. Decidimos pedir a refeição para duas pessoas que custava R$ 62,00 e incluía: filé de peixe frito, camarão frito, arroz, feijão e salada. Foi aqui que tomamos nossa primeira cervijinha também. A garrafa de uma Original custava R$10,00.

Como chegar na Ilha de Superagui?

Para ir até a Ilha de Superagui você precisa fazer uma travessia de barco. Isso pode ser feito por Paranaguá ou Guaraqueçaba. O acesso à Guaraqueçaba é mais difícil, então se a sua intenção é ir diretamente para a Ilha de Superagui a melhor opção é sair de Paranaguá.

Paranaguá.

Se você for de carro, terá que deixá-lo no continente. Nós deixamos em um estacionamento que fica no quarteirão de cima do Trapiche e custou R$ 30,00 por dia (Estacionamento Pague Menos).

Trapiche em Paranaguá.

Se você estiver junto com outra pessoa, deixe as malas próximas ao trapiche de embarque e depois vá estacionar o carro.

As embarcações não tem um horário fixo, como acontece na Ilha do Mel. Então, você tem que ir preparado e com muita paciência. Principalmente se você for pra lá em uma época que não tenha muito movimento. Nós fomos na altíssima temporada e sentimos o peso de as embarcações não saírem em um horário determinado. Imagino que em épocas de menor movimento seja ainda mais complicado.

travessia ilha de Superagui

Existem algumas opções de embarcações que eu não sei dizer os nomes, mas distingo de acordo com o tempo que levam para fazer os trajetos:

  • Barcos que levam em torno de 2h30min: Esses são os que cabem mais passageiros e custavam R$30,00 por pessoa.
  • Barcos que levam em torno de 1h10min: Esses cabem em torno de 16 passageiros e foi o que nós utilizamos tanto na ida quanto na volta. Custavam R$ 40,00 por pessoa.
  • Voadeiras que levam em torno de 40 minutos: Custavam R$ 50,00 por pessoa.

Ao reservar sua hospedagem já converse sobre a travessia. Pergunte como está o movimento na ilha e se terá bastante opção de barco para atravessar. Algumas pousadas possuem barcos próprios então, pode ser possível agendar com eles. Mas, não espere que os horários sejam cumpridos.

Nossa espera básica de quase duas horas. Ao menos tínhamos uma sombra.

O nosso intermediador havia marcado a nossa travessia para 11h00 e no fim só conseguimos sair de Paranaguá 12h45. Minha dica é: vá com muita paciência principalmente se estiver com criança. Mesmo com toda essa espera, tudo valeu a pena! Na Ilha foi só alegria… 🙂 .

O embarque nos Barcos que levam em torno de 2h30min era feito no trapiche.

No retorno para Paranaguá, fomos para praia e ficamos esperando até conseguir uma vaga na embarcação sem agendar nada. Levamos no máximo meia hora para conseguir.

Travessia Ilha de Superagui O embarque nas voadeiras e barcos menores eram feitos na beira da praia.

Peguei ao menos o telefone do Taxi Náutico que nos levou até a Ilha. Você pode entrar em contato e ver quais os horários que eles pretendem fazer a travessia e tirar outras duvidas. Um detalhe importante de saber é que os barqueiros esperam a embarcação lotar para só depois partir em viagem.

Taxi Náutico: (41) 985063627.

Outras Dicas sobre a Ilha de Superagui

  • Na ilha não há aluguel de guarda sol. Se você quiser um, é preciso levar de casa. Se você for com criança, eu recomendo que leve. Ou ao menos já vá pensando em fazer um improvisado. Vi várias pessoas, usando galhos de árvores e uma canga. É um peso a menos para carregar até a ilha. Dessa vez, nós compramos um guarda sol em Paranaguá, mas não tenho certeza se farei isso em uma próxima vez. Achei a ideia da canga muito boa.
  • Se você quiser consumir alguma coisa na beira da praia terá de comprar nos restaurantes e lanchonetes. Por lá não há vendedores ambulantes. E isso apenas na Barra de Superagui. Em lugares mais afastados não haverá nada para comprar. Então, quando for fazer uma caminhada, leve no mínimo água e alguma coisinha para comer (principalmente se estiver com criança).

Espero que você tenha gostado de saber sobre a Ilha de Superagui. Nós amamos conhecê-la e já estamos querendo voltar. É um paraíso bem aqui no nosso estado.

Se você já conhece Superagui conta pra gente o que achou de lá, deixando o seu comentário.

E se tiver alguma dúvida, é só escrever pra gente.

Continue acompanhando nossas aventuras pelo Paraná, siga o blog e também nossas redes sociais.

Até a próxima aventura!

Keila Kubo

Referências sobre Superagui:

http://www.icmbio.gov.br/portal/visitacao1/unidades-abertas-a-visitacao/209-parque-nacional-do-superagui

**Para aproveitar melhor a viagem, perto da Ilha de Superagui tem uma cidadezinha charmosa que você pode ao menos passar para almoçar e passar parte do dia: Morretes.

2 comentários em “Conheça a isolada e surpreendente Ilha de Superagui no litoral paranaense.

Deixe uma resposta

Posts Relacionados

Comece a digitar sua pesquisa acima e pressione Enter para pesquisar. Pressione ESC para cancelar.

De volta ao topo
%d blogueiros gostam disto: